Invista.com.br

Faça seu dinheiro render por Você

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Dicionário Financeiro

E-mail PDF


Ação
É a menor fração do capital de uma empresa. Possuir uma ação significa ser proprietário de uma parte de uma determinada empresa. A empresa (sociedade anônima) emite ações quando quer captar dinheiro para futuros investimentos, diluindo a participação no capital da empresa.

Ação ao portador
Este tipo de ação não existe mais. Foi revogada pela Lei 8201/90. Era um documento que não trazia o nome do seu proprietário e portanto, pertencia àquele que a detivesse em seu poder.

Ação Cheia
Ação cujos direitos (dividendos, bonificação, subscrição) ainda não foram exercidos.

Ação com valor nominal
É um tipo de ação que possui um valor impresso (valor de face), estabelecido pelo estatuto da companhia que a emitiu

Ação endossável
É um tipo de ação nominativa e que pode ser transferida mediante endosso.

Ação escritural
É uma ação que circula nos mercados de capitais sem a emissão de cautelas (certificados), sendo escrituradas por um banco, que é o depositário das ações da empresa e que processa os pagamentos e transferências por meio da emissão de extratos bancários.

Acquirer
É a administradora que pode afiliar estabelecimentos ao sistema de cartões de crédito da bandeira da qual é associada. Este tipo de administradora, chamada acquirer, tem a função de gerenciar, pagar e dar manutenção aos estabelecimentos afiliados da bandeira.

Administrador de Fundos
É a instituição que se responsabiliza por criar o regulamento do fundo e constitui equipes especializadas em compra e venda de papéis no mercado financeiro, com o objetivo de rentabilizar da melhor maneira possível o dinheiro do investidor.

Ágio
Diferença entre o valor pago por um título ou bem e o seu valor nominal.

Alocação de Recursos / Asset Allocation
Expressão utilizada pelos profissionais do mercado para referência à escolha dos ativos que comporão as carteiras. Trata-se justamente da seleção dos ativos que serão parte integrante de uma carteira de investimentos e em que quantidade.

Amortização
Processo de pagamento de empréstimo por meio de reduções programadas do montante inicialmente emprestado.

Análise de Balanço
Avaliação dos elementos patrimoniais de uma empresa, visando o conhecimento minucioso de sua composição qualitativa e de sua expressão quantitativa, com o objetivo de conhecer os fatores determinantes da situação atual e traçar as perspectivas da empresa.

Aplicação
Emprego da poupança na aquisição de títulos, com o objetivo de auferir rendimentos.

Apólice
Documento emitido pelo Segurador após aceitação da cobertura de risco proposta pelo Segurado.

Apregoação
Ato de apregoar a compra ou venda de ações, mencionando-se o papel, o tipo, a quantidade de títulos e o preço pelo qual se pretende fechar o negócio, executado por um operador, representante de sociedade corretora, na sala de negociações (pregão).

Arbitragem / Arbitrage
Operação que busca tirar proveito de variações na diferença de preços entre dois ativos ou entre dois mercados, ou das expectativas futuras de mudanças nessas diferenças. Como exemplos, podemos citar a compra de um ativo à vista e a venda deste mesmo ativo a futuro.

Ativo / Asset
É classificado como ativo tudo aquilo que é de bem e de direito hoje e futuro de uma pessoa ou instituição, como por exemplo, imóveis, dinheiro em espécie, títulos e etc.

Atuário
O Atuário é um profissional que utiliza principalmente o estudo de probabilidades matemáticas para definir a probabilidade da ocorrência de eventos específicos, e transformar tais cálculos em atos de adequação para os possíveis custos futuros de uma instituição (definição de custo de seguros, de valores de contribuições previdenciárias). A ciência atuária tem grande de uso pelas companhias de seguro, assim como em entidades de previdência.

Auditoria
Trata-se de uma análise da saúde financeira e econômica de uma instituição. É realizada de forma independente, ou seja, os auditores não devem possuir vínculo de natureza permanente com a instituição analisada. Tem por fim gerar maior credibilidade nas informações divulgadas pela empresa, bem como garantir a maior segurança possível para os usuários das mesmas.

Balança Comercial
Conta do balanço de pagamentos de um país. O saldo da balança comercial é a diferença entre o volume de exportações e o volume de importações de produtos e serviços realizadas pelo país em determinado período. Quando o valor das exportações supera o das importações, dizemos que há um superávit comercial. No caso contrário, temos um déficit comercial.

Balancete
Balanço parcial da situação econômica e do estado patrimonial de uma empresa, referente a um período de seu exercício social.

Base Monetária
A base monetária corresponde à criação primária de moeda (pelo Banco Central). Ela é divulgada em dois conceitos pelo Banco Central do Brasil: num conceito mais restrito, por convenção, corresponde ao total de papel-moeda em circulação somado às reservas bancárias e, num conceito mais amplo, corresponde ao total da base restrita, mais os depósitos compulsórios em espécie e títulos federais (tanto do BACEN, quanto do Tesouro) fora do Banco Central.

Benchmark
É um processo contínuo e sistemático para avaliar, medir e comparar produtos, serviços, processos e funções de empresas identificadas como “melhores da classe” com a finalidade de melhoria da organização, comparação com os concorrentes, desenvolver objetivos produto e processo e estabelecer prioridades e metas. A idéia básica é de que, ainda que não haja um modelo ideal a ser seguido, existem muitas empresas excelentes com as quais se pode aprender coisa relevante.

Beneficiário
Pessoa física ou jurídica a quem o segurado reconhece o direito de receber a quantia correspondente a determinada indenização derivada da apólice do seguro. Em princípio, o segurado é o beneficiário do seguro, mas também há casos em que ele indica um beneficiário (plano de previdência privada e seguros de vida), onde o risco coberto é a morte do próprio segurado. Pessoa em cujo proveito se faz o seguro.

Benefícios
São caracterizados como benefícios os dividendos, as bonificações e/ou direitos de subscrição distribuídos por uma empresa a seus acionistas.

Bens de Capital (ou Produção)
São os bens que servem para a produção do outros bens, tais como máquinas, equipamentos, material de transporte e construção.

Bens Intermediários
São aqueles bens que são absorvidos na produção de outros, como o açúcar nas balas, os componentes na televisão, etc.

Bid
Designação para o preço de compra de determinado ativo no mercado. Block-trade
Leilão de grande lote de ações nas Bolsas de Valores.

Blowout
Venda relâmpago de todas as ações em uma oferta de valores, ações vendidas nessas circunstâncias obtêm preços mais elevados.

Blue-Chips
Jargão utilizado no mercado financeiro para definir ações de empresas, mais negociadas, mais valorizadas com grande liquidez e procura no mercado de ações. O termo “blue chip” vem do pôquer, jogo de cartas no qual as “fichas azuis” são as mais valiosas. No Brasil, podemos citar as ações da Telebrás, Petrobrás e Eletrobrás.

Bolsa de Mercadorias
Mercado centralizado para transações com mercadorias, sobretudo os produtos primários de maior importância no comércio internacional e interno, como café, açúcar, algodão, cereais, etc. Realizando negócios tanto com estoques existentes quanto com mercados futuros, as bolsas de mercadorias exercem papel estabilizador no mercado, minimizando as variações de preço provocadas pelas flutuações de procura e reduzindo os riscos dos comerciantes.

Bolsa de Valores
Associação civil sem fins lucrativos, cujos objetivos básicos são entre outros, manter local ou sistema de negociação eletrônico, adequados à realização, entre seus membros, de transações de compra e venda de títulos e valores mobiliários; preservar elevados padrões éticos de negociação; e divulgar as operações executadas com rapidez, amplitude e detalhes.

Bolsa de Valores de Nova York
A maior e mais importante bolsa de valores do Mundo, também conhecida como Big Board. Nela é apurado o índice Dow-Jones, que é composto por 30 empresas.

BOVESPA
Bolsa de Valores do Estado de São Paulo. Principal Bolsa de Valores do país. Bull
Especulador com visão otimista do mercado.

Bull Market
Longo período de alta dos preços dos ativos.
BVRJ
Bolsa de Valores do Rio de Janeiro.

Caderneta de Poupança
Aplicação tradicional que permite ao investidor aplicar pequenas somas com liquidez a cada 30 dias. É o único investimento garantido pelo Governo Federal, sendo também isento de imposto de renda.

Caixa de registro e liquidação
Empresa responsável pela liquidação e compensação realizadas em bolsa.

Call
É uma opção de compra de uma ação.

Capital Aberto
Característica do tipo de sociedade anônima em que o capital, representado por ações que podem ser negociadas na Bolsas de Valores , é dividido entre muitos e indeterminados acionistas.

Capital autorizado
Limite estatutário, de competência de assembléia geral ou do conselho de administração, para aumentar o capital social de uma empresa.

Capital de Giro
Parte dos bens de uma empresa representados pelo estoque de produtos e pelo disponível (imediatamente e a curto prazo).

Capital de risco
Capital investido em atividades ou investimentos, nos quais existe possibilidade de perdas e ao mesmo tempo possibilidade de ganhos superiores aos habituais.

Capital de Terceiros
Valor dos recursos de terceiros utilizados para a manutenção da atividade de uma empresa.

Capital Especulativo
Diz-se do capital que só procura obter vantagens de uma determinada situação, não trazendo benefícios para a economia ou setor no qual se acha investido.

Capital Externo
Capital de origem estrangeira.

Capital Fechado
Característica do tipo de sociedade anônima na qual o capital, representado por ações, é dividido entre poucos acionistas e essas ações não são negociadas em Bolsas de Valores.

Capital Financeiro
É o capital representado por títulos, obrigações, certificados e outros papéis negociáveis e que podem ser convertidos em dinheiro com rapidez.

Capital Garantido
Modalidade de fundo de renda variável que protege o investimento inicial no caso de uma variação negativa do Índice Ibovespa. A rentabilidade do fundo de capital garantido é positiva, se a rentabilidade do Índice Ibovespa também for positiva. Mas se o Índice Ibovespa cair, o investidor tem assegurado que receberá no vencimento da aplicação a mesma quantia inicialmente investida.

Capital Social (Equity Capital)
Valor dos recursos financeiros colocados na empresa, pelos seus sócios ou acionistas.

Captação
Atividade das instituições financeiras para obter recursos para aplicação a curto, médio e/ou longo prazos. Ex.: quando um investidor aplica determinada quantia num fundo de investimento, do ponto de vista da instituição na qual a aplicaçào foi feita, esta quantia é considerada como “captada”.

Carência
Período de tempo em que o investidor está impedido ou sofrerá alguma penalização, se resgatar os seus investimentos fora desse período.

Cartel
Grupo de empresas que fazem um acordo para agir coordenadamente, visando seus interesses comuns. O tipo de cartel mais comum é o de empresas que produzem artigos semelhantes e/ou operam em mercados semelhantes.

Caução
Depósito de títulos ou valores efetuados para o credor, visando garantir o cumprimento de obrigação assumida.

Cautela
Certificado que materializa a existência de determinado número de ações; também chamada título múltiplo.

Circuit Breaker
Normativo adotado pelas Bolsas de Valores e pelo qual o pregão é imediatamente interrompido toda vez que o índice tenha queda de dez pontos percentuais(10%).

Commodity
Nas relações comerciais internacionais, o termo designa um tipo particular de mercadoria em estado bruto ou produto primário de importância comercial, como é o caso do café, algodão, estanho, cobre, etc.

Corretagem
Taxa de remuneração de um intermediário financeiro na compra ou venda de títulos.

Cotação/Quote
Preço dos títulos, ações, moedas estarngeiras ou mercadorias. O termo é usado principalmente nas bolsas valores ou de mercadorias.

CPMF
Sigla de Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira. Contribuição federal que é cobrada sobre todo dinheiro que sai de uma conta corrente, não importando o motivo da retirada, seja para pagar uma conta, seja para aplicar em um fundo de investimento. O valor da CPMF é de 0,38% sobre a movimentação. Ex.: ao se sacar um cheque no valor de R$ 1000,00, paga-se R$ 3,80 de CPMF, debitado automaticamente na conta corrente.

Crack
Ocorre quando as cotações das ações declinam velozmente para níveis extremamente baixos.

Déficit
Excesso de despesa sobre a receita, quer na previsão, quer na realização.

Déficit de Caixa do Tesouro Nacional
Diferença entre receitas e despesas efetivas realizadas em um determinado período de tempo, decorrendo da execução financeira do orçamento da União, no regime de caixa.

Déficit Comercial
Valor obtido quando o volume das importações supera as exportações num dado período de tempo.

Déficit Consolidado de Caixa do Governo Federal
Consolidação do déficit de caixa do Tesouro Nacional e do Banco Central. Indica a variação líquida dos recursos injetados ou retirados da economia em consequência das operações do Banco Central e Tesouro Nacional.

Déficit Financeiro
Maior saída de numerário em relação a entrada, em um determinado período.

Déficit Operacional
Necessidade de financiamento do setor público, excluindo-se os efeitos da correção monetária e cambial nas despesas e nas receitas.

Déficit Orçamentário
Despesa maior do que receita, havendo distinção entre déficit previsto e o déficit da execução orçamentária.

Déficit Orçamentário bruto
Diferença entre as receitas e as despesas de um orçamento público, não se considerando, nas receitas de capital, as operações de crédito a serem contratadas para o financiamento do déficit.

Déficit Patrimonial
Ativo menor do que o passivo.

Dívida Ativa
A constituída pelos créditos do Estado, devido ao não pagamento pelos contribuintes, dos tributos, dentro dos exercícios em que foram lançados. Por isso, só os tributos diretos, sujeitos a lançamento prévio, constituem dívida ativa. Não obstante, tem sido aceito o critério de estender-se o conceito de dívida ativa a outras categorias de receita, como as de natureza patrimonial e industrial, bem como provenientes de operações diversas com a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, etc

Dívida Externa Privada
Dívida das empresas sediadas no Brasil com credores estrangeiros, sejam governos, empresas ou pessoas de fora do país.

Dívida Externa Pública
Dívida do governo brasileiro com credores estrangeiros, sejam outros governos, empresas ou pessoas fora do país.

Dívida Interna Privada
Dívida das empresas com governos, empresas e pessoas dentro do país.

Dívida Interna Pública
Compromissos assumidos por entidade pública dentro do país, portanto, em moeda nacional.

Dívida Pública
Compromissos de entidade pública decorrentes de operações de créditos, com o objetivo de atender às necessidades dos serviços públicos, em virtude de orçamentos deficitários, caso em que o governo emite promissórias, bônus rotativos, etc., a curto prazo, ou para a realização de empreendimentos de vulto, em que se justifica a emissão de um empréstimo a longo prazo, por meio de obrigações e apólices. Os empréstimos que caracterizam a dívida pública são de curto ou longo prazo. A dívida pública pode ser proveniente de outras fontes, tais como: depósitos (fianças, cauções, cofre de órgãos, etc.), e de resíduos passivos (restos a pagar). A dívida pública classifica-se em consolidada ou fundada (interna ou externa) e flutuante ou não consolidada.

Dívida Pública Externa
Compromissos assumidos por entidade pública gerando a obrigação de pagamento do principal e acessórios.

Data de exercício da opção
Data de registro em pregão da operação de compra ou de venda à vista das ações-objeto da opção.

Data de vencimento da opção
O dia em que se extingue o direito de uma opção.

Data de Concessão de Benefício
É a data prevista para concessão do benefício de um plano de previdência.

Data ex-direito
Data em que uma ação começará a ser negociada ex-direito – dividendo,bonificação e subscrição – na Bolsa de Valores.

Data Base
Data inicial, estabelecida no contrato, para cálculo da variação do índice de custos ou preços.

Day-trade
Conjugação de operações de compra e de venda realizadas em um mesmo dia, dos mesmos títulos, para um mesmo comitente, por uma mesma sociedade corretora, cuja liquidação é exclusivamente financeira.

Dealer
São as instituições credenciadas pelo Banco Central a participar dos leilões informais. Os dealers são escolhidos entre os bancos mais ativos no mercado. Eles têm a responsabilidade de informar aos demais bancos sobre o leilão informal

Debênture
Quando uma empresa quer captar recursos para investir e/ou pagar dívidas, pode emitir títulos denominados debêntures. Os investidores que compram as debêntures recebem em troca, uma taxa de juros fixa ou variável sobre o valor emprestado.

Debêntures conversíveis em ações
Aquelas que podem ser convertidas em ações, em épocas e condições pré-determinadas.

Decreto
1 – “Lato Sensu”, todo ato ou resolução emanada de um órgão do Poder Público competente, com força obrigatória, destinado a assegurar ou promover a boa ordem política, social, jurídica, administrativa, ou a reconhecer, proclamar e atribuir um direito, estabelecido em lei, decreto legislativo, decreto do Congresso, decreto judiciário ou judicial; 2-Mandado expedido pela autoridade competente : decreto de prisão preventiva , etc ; 3-Ato pelo qual o chefe do governo determina a observância de uma regra legal , cuja axeçâo é de competência do Poder Executivo e ; 4- “Stricto Sensu” ,qualquer sentença Proferida por autridade juridica.

Deduções estatutárias
Parte dos lucros de uma empresa que, conforme determinação de seu estatuto social, não é distribuída aos acionistas.

Default
Declaração de insolvência do devedor, decretada pelos credores quando as dívidas não são pagas nos prazos estabelecidos.

Deflação
É a queda do nível geral de preços. O contrário de inflação

Democratização do capital
Processo pelo qual a propriedade de uma empresa fechada se transfere, total ou parcialmente, para um grande número de pessoas que desejam dela participar e que não mantém, necessariamente, relações entre si, com o grupo controlador ou com a própria companhia.

Demonstrações Financeiras
Demonstração das principais contas da empresa (relatadas no balanço patrimonial): demonstração de resultado, demonstração das origens e aplicações de recursos, alterações do patrimônio líquido e notas explicativas.

Depreciação
Perda de valor de algum ativo em decorrência do uso, da ação do tempo, da obsolescência tecnológica ou da redução no preço de mercado.

Derivativos
Ativos financeiros cujos valores e características de negociação estão amarrados aos ativos que lhes servem de referência. A palavra derivativo vem do fato que o preço do ativo é derivado de um outro. Ex.: Opção de Telebrás, o preço desta opção é derivado do ativo “ação da Telebrás”.

Deságio
Diferença para a menos entre o valor nominal e o preço de aquisição de um título ou bem.

Desdobramento de cautelas
Sistema de desdobramento de ações, efetuado pelas bolsas de valores, de modo a adequar a quantidade de ações ao lote padrão.

Despesa Empenhada
Valor do crédito orçamentário ou adicional utilizado para fazer face a compromisso assumido.

Despesa Financeira
Valor acumulado dos encargos financeiros dos empréstimos e financiamentos, tais como juros, mora, multas contratuais, etc.

Despesa Pública
“1 – Em sua acepção financeira, é a aplicação de recursos pecuniários em forma de gastos e em forma de mutação patrimonial, com o fim de realizar as finalidades do estado e, em sua acepção econômica, é o gasto ou não de dinheiro para efetuar serviços tendentes àquelas finalidades.2 – Compromisso de gasto dos recursos públicos, autorizados pelo Poder competente, com o fim de atender a uma necessidade da coletividade prevista no orçamento.”

Despesas de Capital
As realizadas com o propósito de formar e/ou adquirir ativos reais, abrangendo, entre outras ações, o planejamento e a execução de obras, a compra de instalações, equipamentos, material permanente, títulos representativos do capital de empresas ou entidades de qualquer natureza, bem como as amortizações de dívida e concessões de empréstimos.

Despesas de Custeio
As necessárias à prestação de serviços e à manutenção da ação da administração como, por exemplo, pagamento de pessoal, de material de consumo e a contratação de serviços de terceiros.

Despesas de Exercícios Anteriores
As relativas a exercícios encerrados, para as quais o orçamento respectivo consignava crédito próprio, com dotação suficiente para atendê-las, mas que não se tenham processado na época própria, bem como os restos a pagar com prescrição interrompida e os compromissos reconhecidos após o encerramento do exercício correspondente. Poderão ser pagos, à conta de dotação específica consignada no orçamento, discriminada por elemento, obedecida, sempre que possível, a ordem cronológica.

Despesas Correntes
As realizadas com a manutenção dos equipamentos e com o funcionamento dos órgãos.

Direito de retirada
Direito de um acionista de se retirar de uma empresa, mediante o reembolso do valor de suas ações, quando for dissidente de deliberação de assembléia que aprovar determinadas matérias definidas na legislação pertinente.

Direito de subscrição
Direito de um acionista de subscrever preferencialmente novas ações de uma sociedade anônima quando do aumento de seu capital.

Disclosure
Divulgação de informação por parte de uma empresa, possibilitando uma tomada de decisão consciente pelo investidor e aumentando sua proteção.

Discriminação de Rendas
Inserida no texto constitucional, visa delimitar a competência das várias entidades de direito público (União, Estados, Distrito Federal e Municípios). Por este mecanismo são repartidos certos fatos de significação econômica e atribuídos com exclusividade às pessoas políticas, para servirem de objetivo à sua legislação tributária

Disponibilidade
Soma do dinheiro em caixa, em contas correntes bancárias e em aplicações de liquidez imediata.

Dividendo
É a parcela do lucro da empresa que é distribuída aos acionistas.

Dividendo cumulativo
Dividendo que, caso não seja pago em um exercício, se transfere para outro.

Dividendo pró-rata
Dividendo distribuído às ações emitidas dentro do exercício social proporcionalmente ao tempo transcorrido até o seu encerramento.

Documento de Arrecadação Fiscal – DARF
Destina-se a arrecadação de receitas tributárias.

Dow Jones
Índice utilizado para acompanhar os negócios na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE ; New York Stock Exchange). Seu valor é o cálculo da média de cotações entre trinta empresas de maior importância.

Dumping
Venda de produtos a preços mais baixos que os custos, com a finalidade de eliminar os concorrentes e conquistar maiores fatias de mercado.

DECEX
Departamento de Comércio Exterior

DI (Depósitos Interbancários)
Também conhecidos como o CDIs, os representam os juros praticados nas negociações entre os bancos.

Dólar Cabo
Semelhante ao dólar paralelo, com a diferença que o valor é transferido eletronicamente para uma conta corrente no exterior, portanto não ocorrendo nessa transação o manuseio físico das cédulas de dólar.

Dólar Comercial
Taxa de câmbio utilizada nas operações comerciais do país, no pagamento do serviço da dívida externa e nas remessas de dividendos das empresas com sede no exterior.

Dólar Flutuante
Taxa de câmbio utilizada nas principais operações financeiras e na conversão de dólares de residentes

Dólar Futuro
Cotação esperada pelo mercado financeiro do valor do dólar, no futuro. A idéia básica do dólar futuro é que ao comprá-lo, o investidor esteja garantindo o valor que pagará pelo dólar no futuro, desta forma minimizando seu risco e ficando a salvo das variações do mercado, pois conhece hoje o valor que pagará pelo dólar, no futuro.

Dólar Orçamentário
Valor da taxa de câmbio entre o cruzeiro e o dólar, pelo qual é feita a conversão para cruzeiros de todas as despesas orçadas em dólar, para uma determinada Lei de Orçamento.

Dólar Paralelo
É o valor para comprar ou vender dólar fora dos meios oficiais de conversão, geralmente realizada através de doleiros. Também conhecido como dólar black ou câmbio negro.

DOC (Documento de Ordem de Crédito)
Ordens de depósito de dinheiro entre contas bancárias.

Eficácia
Capacidade da organização em cumprir as suas metas e objetivos previamente fixados.

Eficiência
Mede a capacidade da organização em utilizar, com rendimento máximo, todos os insumos necessários ao cumprimento dos seus objetivos e metas. A eficiência preocupa-se com os meios, com os métodos e procedimentos planejados e organizados a fim de assegurar otimização dos recursos disponíveis.

Emissão
Colocação de dinheiro ou títulos em circulação

Emissão Direta (não competitiva)
Emissões de títulos públicos realizadas diretamente aos mais diversos agentes econômicos, nos termos da Lei. Destinam-se, principalmente, à securitização de dívidas da União, operações financeiras estruturadas, assunção e refinanciamento das dívidas de Estados, Municípios e estatais.

Empresa Pública
Entidade empresarial, com personalidade jurídica de direito privado e participação única do Poder Público no seu capital e direção, na forma da lei, sendo de propriedade única do Estado. É pessoa jurídica de direito privado, sem privilégios estatais, salvo as prerrogativas que a lei especificar em cada caso particular, para a realização das atividades desejadas pelo Poder Público

Encargos de Financiamento
Juros, taxas e comissões pagos ou a pagar, decorrentes de financiamentos interno ou externo.

Endividamento
Montante de dívidas de uma empresa, governo ou pessoa física.

Endosso
Transferência da propriedade de um título mediante declaração escrita, geralmente feita em seu próprio verso.

Equilíbrio do Mercado
Diz-se que um mercado financeiro está em equilíbrio quando os compradores e os vendedores chegam a um consenso quanto aos preços usuais dos ativos transacionados. Para haver um equilíbrio no mercado, a oferta e a procura de um determinado ativo devem ser razoavelmente equivalentes, caso contrário um dos lados ou quer comprar barato (oferta excessiva) ou vender caro (demanda excessiva), levando ao desequilíbrio do mercado

Equity
É o Patrimônio Líquido. São os direitos residuais dos acionistas sobre os ativos da empresa, calculado subtraindo-se o passivo total do ativo total.

Erário
Tesouro ou Fazenda Pública.

Especulação
Negociação em mercado com o objetivo de ganho, em geral a curto prazo.

Estabilização
Estabilização significa reduzir ou diminuir a variação das taxas de algum indicador econômico para os níveis de países desenvolvidos.

Estagflação
Situação em que a economia de um país encontra-se simultaneamente em recessão e com inflação. Encontra-se estagnado.

Estoque
Quantidade guardada de algum ativo para venda futura.

Estrutura de capital
Combinação de diversas modalidades de capital de terceiros e capital próprio por uma empresa. Conhecida também como estrutura financeira.

Evento
Qualquer ato ou fato que deva ter tratamento pelo Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI).

Ex-direitos
Denominação dada a uma ação que teve exercidos os direitos concedidos por uma empresa.

Excedente Financeiro
É o resultado apurado, durante o período do benefício do plano de previdência, pela diferença entre a taxa de rentabilidade líquida obtida pela aplicação dos recursos da reserva matemática de benefícios concedidos e a remuneração garantida, nos termos do Regulamento e conforme a Nota Técnica Atuaria.

Execução de ordem
Efetiva realização de uma ordem de compra ou venda de valores mobiliários.

Execução Financeira
Utilização dos recursos financeiros visando atender à realização dos subprojetos e/ou subatividades, atribuídos às unidades orçamentárias

Execução Orçamentária da Despesa
Utilização dos créditos consignados no Orçamento Geral da União e nos créditos adicionais, visando à realização dos subprojetos e/ou subatividades atribuídos às unidades orçamentárias.

Exercício de opções
Operação pela qual o titular de uma operação exerce seu direito de comprar ou de vender o lote de ações-objeto, ao preço de exercício.

Exercício Financeiro
Período correspondente à execução orçamentária. No Brasil coincide com o ano civil.

Exercícios Anteriores
Refere-se às dívidas reconhecidas, resultantes de compromissos gerados em exercícios financeiros anteriores àquele em que deva ocorrer o pagamento, que, por motivo de força maior, não foram objeto de empenho

Exigível a Longo Prazo
Obrigações exigíveis normalmente após o término do exercício seguinte.

Exportação
Corresponde às mercadorias enviados ao exterior.

Extrato de Conta
Relatório de movimentações de dinheiro na conta corrente ou fundo de investimento.

EURO
Moeda do Mercado Comum Europeu, que entrou em vigor no dia 01/01/99.

Falência
Condição jurídica decretada através de sentença judicial, pela falta de cumprimento de obrigações assumidas. Pode ser voluntária ou involuntária, como resultado de ações dos credores da empresa, quando esta é declarada insolvente.

Fato Gerador
Fato, ou o conjunto de fatos, ou o estado de fato, a que o legislador vincula o nascimento de obrigações jurídicas de pagar tributo determinado

Fechamento de posição
Operação através da qual o lançador de uma opção, pela compra em pregão de uma outra da mesma série, ou o titular, pela venda de opções adquiridas, encerram suas posições ou parte delas. A expressão também é utilizada quando da realização de operações inversas no mercado futuro.

Fechamento em alta
Quando o índice de fechamento for superior ao índice de fechamento do pregão anterior.

Fechamento em baixa
Quando o índice de fechamento for inferior ao índice de fechamento do pregão anterior.

Fechamento Anterior
Última cotação do papel no Pregão Regular do dia anterior, sem considerar o After Market.

Fechamento Horário Regular
Última cotação do papel no horário de Pregão Regular, sem considerar o After Market.

Fiança Bancária
A fiança é um contrato através do qual o banco (neste caso, o fiador) garante o cumprimento da obrigação do seu cliente (afiançado) junto a um credor, em favor do qual a obrigação deve ser cumprida (neste caso, o beneficiário). É, portanto, a obrigação acessória assumida pelo banco, quando se responsabiliza total ou parcialmente pelo cumprimento da obrigação de seu cliente devedor, caso este não cumpra ou não possa cumpri-la.

Fibonacci
Os números de Fibonacci são uma seqüência de números onde cada elemento é a soma dos dois anteriores: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, 610 … Estima-se que, à medida que os preços das ações evoluem, os suportes e resistências se comportam de maneira aproximada aos números de Fibonacci. É uma teoria fenomenológica, é claro, mas que guarda certa relação com as ondas de Elliott. Contudo, um fato que impressiona muita gente é que estes números aparecem em várias situações na natureza, desde a forma de certas conchas de moluscos até a evolução da população de coelhos, reproduzindo-se livremente.

Filhote
Veja Bonificação.

Fluxo de Caixa
É o fluxo de entradas e saídas de dinheiro do caixa de uma empresa. Importante medida para se determinar o valor de umaempresa, através do método do fluxo de caixa descontado.

Fundo Garantidor de Créditos
Fundo criado e administrado pelo Governo, e que tem por objetivo garantir ao investidor o pagamento de uma parcela da quantia investida, em caso de insolvência. Apenas as instituições financeiras relacionam-se com esse fundo.

Fundos de Investimento
São condomínios abertos ou fechados, que possibilitam a seus cotistas a oportunidade de, em conjunto, investir em aplicações financeiras. Dessa forma, conferem ao investidor melhores condições de remuneração ao mercado.

FED
Federal Reserve, Banco Central dos Estados Unidos.

FGV-100
Índice elaborado pela Fundação Getúlio Vargas que mede o desempenho em bolsa das 100 maiores empresas privadas brasileiras.

FMI (Fundo Monetário Internacional)
Instituição que congrega 182 países. O FMI tem como finalidade básica emprestar recursos aos países membros que estejam com dificuldades de cumprir com seus pagamentos a outros membros.

Ganho de Capital
Lucro obtido por meio da especulação com capital, incluindo compra e venda de ações, juros de investimentos financeiros, aluguéis, venda de imóveis e outras modalidades.

Gen-Saki
Mercado monetário japonês de curto prazo, utilizado como mercado secundário para compra e revenda de títulos de médio e longo prazo das empresas ou do governo.

Gestão
Ato de gerir a parcela do patrimônio público, sob aresponsabilidade de uma determinada unidade Aplica-se o conceito de gestão a fundos, entidades supervisionadas e a outras situações em que se justifique a administração distinta

Gestão Tesouro
Gestão de recursos previstos nos Orçamentos da União para os órgãos da administração direta. A gestão tesouro é, pois, a principal gestão desses órgãos. Os recursos que se destinam a fundos e entidades supervisionadas são considerados como gestão própria, porque, na sua transferência, foram registrados como despesa na gestão tesouro

Gestor
Quem gere ou administra negócios, bens ou serviços

Gilt Edged
Denominação dos títulos emitidos em libras esterlinas pelo Banco da Inglaterra e conhecidos no mercado como “gilts” (dourados), pois o seu risco de default é mínimo.

Global Bonds
Bônus de dívida soberana emitidos em dólar e negociados no mercado norte-americano e europeu.

Gráfico de Barras
O gráfico de barras é o mais utilizado pelos analistas. Ele exibe normalmente o preço mínimo e máximo de determinado título, bem como o preço de abertura e de fechamento.

GAP
Um gap (“diferença” ou “intervalo”) aparece quando o mercado de um título, sofrendo uma interrupção em sua negociação, provoca uma diferença entre o preço de fechamento e o preço de abertura do título. Um fato novo pode ter ocorrido neste intervalo, provocando uma reavaliação por parte dos investidores acerca do valor do título.

GATT (General Agreement on Tariffs ans Trade)
Tratado multilateral de comércio internacional firmado em 1947. O GATT rege-se por três princípios básicos: tratamento igual, não discriminatório, para todas as nações comerciantes; redução de tarifas por meio de negociações e eliminação das quotas de importação.

GATT – General Agreement on Tariffs ans Trade
Tratado multilateral de comércio internacional firmado em 1947. O GATT rege-se por três princípios básicos: tratamento igual, não discriminatório, para todas as nações comerciantes; redução de tarifas por meio de negociações e eliminação das quotas de importação.

Haveres financeiros
Conceito amplo de moeda (M4). Indica o volume da poupança financeira, isto é, a massa de recursos em poder dos indivíduos e das empresas não financeiras que pode, com maior ou menor grau de liquidez, ser utilizada como meio de pagamento de bens e serviços. Inclui, além dos recursos prontamente aceitos como moeda (M1), outros ativos financeiros emitidos pelo governo e pelas instituições financeiras. Os conceitos intermediários M2 e M3 procuram captar os diferentes graus de liquidez existentes entre parcelas desses ativos financeiros.

Hedge Fund
Fundo hedge é um fundo que não se limita a investir em ações, debêntures e títulos do governo. Ele opera em todos os mercados, normalmente através de instrumentos derivativos. Além disso, faz operações para se proteger ante possíveis quedas dos ativos nos quais o fundo investiu.

High Yield
Alta taxa de retorno. Os empréstimos em que as empresas pagam juros sensivelmente altos e que usualmente são feitos no mercado europeu, são classificados como de High Yield.

Holding (empresa)
Aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding – empresa
Aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Home Broker
Atendimento automatizado que possibilita a realização de operações no mercado financeiro e que torna mais ágil e simples as negociações. O Home Broker permite o envio de ordens de compra e venda de ações e outros ativos pela Internet, possibilita acesso às cotações e acompanhamento de carteiras de ativos, entre vários outros recursos.

Homologação
Ato que certifica a justeza dos atos praticados anteriormente

Ibovespa
Índice da Bolsa de Valores de São Paulo. Reflete o comportamento das principais ações negociadas no pregão.

Importação
Corresponde à entrada de mercadorias originárias do exterior.

Indenização
E a importância que a companhia seguradora deverá pagar ao Segurado no caso da efetivação de um risco coberto no contrato de seguro.

Indexador
É o índice contratado para atualização monetária dos valores.

Indice Dow Jones
Índice usado para medir a performance do mercado norte-americano, composto pelas 30 ações mais negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque – NYSE (New York Stock Exchange).

Inflation Targeting
Metas para a inflação.

Insider
Investidor que tem acesso privilegiado a determinadas informações, antes que estas se tornem conhecidas do mercado.

Institucional (Investidor)
Instituição que dispõe de vultosos recursos mantidos em certa estabilidade e destinado à reserva de risco ou à renda patrimonial e que investe parte dos mesmos no mercado de capitais.

Instituições Financeiras
Conjunto de organizações que compõem o Mercado Financeiro. Dentre elas, podemos destacar: Bancos Comerciais, Bancos de Investimento, Caixa Econômica, Cooperativas de Crédito, Sociedades Corretoras e Distribuidoras. As normas operacionais de todas as instituições financeiras são estabelecidas pelo Banco Central.

Instituidora
É a pessoa jurídica contratante, a qual os participantes estão vinculados e que efetua contribuição ao plano de previdência.

Instrução
Instrumento de normatização usado por instituições governamentais como o Banco Central ou a Comissão de Valores Mobiliários para regulamentar o mercado financeiro.

Investimento
Emprego da poupança em atividade produtiva objetivando ganhos a médio e longo prazos. É utilizado, também, para designar a aplicação de recursos em algum tipo de ativo financeiro.

IBX (Índice Brasil)
É um índice que mede o retorno de uma carteira hipotética composta por 100 ações selecionadas entre as mais negociadas na BOVESPA, em termos de número de negócios e volume financeiro, ponderadas no índice pelo seu respectivo valor de mercado.

ICV-Dieese
Índice do Custo de Vida do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Medido na cidade de São Paulo. Refletindo o Custo de Vida de famílias com renda média de R$ 2.800.

IDU (Interest Due Unpaid)
Um dos Títulos de dívida externa do governo brasileiro de vencimento mais curto (vence em 2001), usualmente chamados de “Bradies”.

IGC
Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada. Tem por objetivo medir o desempenho de uma carteira teórica composta por ações de empresas que apresentem bons níveis de governança corporativa.

IGP-DI
Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna – Calculado pela Fundação Getúlio Vargas. É a média ponderada do Índice de Preços no Atacado (IPA), com peso 6; de preços ao Consumidor (IPC) no Rio e SP, com peso 3; e do Custo da Construção Civil (INCC), com peso 1. Usado em contratos de prazo mais longo, como aluguel.

IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado)
Índice que mede a variação de preços no mercado de atacado, de consumo e construção civil. Este índice é formado pela soma ponderada de outros 3 índices : IPA – Índice de Preços ao Atacado, com um peso de 60%; IPC – Índice de Preço ao Consumidor, com um peso de 30%; e INCC – Índice Nacional de Construção Civil, com um peso de 10%. Calculado pela FGV, pesquisado entre os dias 21 de um mês e 20 do seguinte. O IGPM considera todos os produtos disponíveis no mercado, inclusive o que é importado.

IGP-10
Índice Geral de Preços 10 – Calculado pela FGV e elaborado com a mesma metodologia do IGP-DI e do IGP-M. A única diferença é o período de coleta de preços: entre o dia 11 de um mês e o dia 10 do mês seguinte. Usado como indicador de tendência da inflação.

INCC
Índice Nacional do Custo da Construção – Um dos componentes das três versões do IGP, o de menor peso. Reflete o ritmo dos preços de materiais de construção e da mão-de-obra no setor. Utilizado em financiamento diretos de construtoras/incorporadoras.

INPC
Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Média do custo de vida nas 11 principais regiões metropolitanas do país para famílias com renda de 1 até 8 salários mínimos, medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística).

IOF (Imposto sobre Operações Financeiras)
O IOF incide sobre o ganho da aplicação de fundos de renda fixa com liquidez diária de acordo com uma tabela regressiva, até o 29º dia da aplicação, estando isentos a partir do 30º dia.

IPC (Índice de preço ao consumidor)
Calcula a variação dos preços de uma ‘cesta de consumo’ média de uma determinada população.

IPC-Fipe
Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP, pesquisado no município de São Paulo. Reflete o custo de vida de famílias com renda de 1 a 20 salários mínimos.

IR (Imposto de Renda)
Imposto cobrado diretamente sobre a renda das pessoas e das empresas. No caso das pessoas, quanto maior a renda, maior a taxa do imposto incidente. Para as empresas, o percentual do imposto de renda depende do tipo da empresa e do regime de tributação no qual ela se enquadra.

ISE
Índice de Sustentabilidade Empresarial. O ISE tem por objetivo refletir o retorno de uma carteira composta por ações de empresas com reconhecido comprometimento com a responsabilidade social e a sustentabilidade empresarial

Joint-Venture
Associação de empresas para o desenvolvimento e execução de um projeto específico.

Juro nominal
Juro correspondente a um empréstimo ou financiamento, incluindo a correção monetária do montante emprestado.

Juro real
Juro correspondente a um empréstimo ou financiamento sem incluir a correção monetária do montante emprestado. Em condições de inflação zero, os juros real e nominal são iguais.

Juros
Remuneração que o detentor do dinheiro cobra para conceder um empréstimo. O valor do juro (seu percentual) é considerado como o custo ou preço do dinheiro. Em economia, o dinheiro é considerado um bem disponível no mercado e portanto tem um preço, um custo. Alguns dos motivos pelos quais os juros aumentam são: quando há pouco dinheiro disponível no mercado ou quando a inadimplência aumenta.

Lançador
No mercado de opções, aquele que vende uma opção, assumindo a obrigação de: – se o titular exercer – vender ou comprar o lote de ações-objeto a que se refere.

Lançamento de opções
Operação de venda que dá origem às opções de compra ou de venda.

Lance
Preço oferecido em pregão para a compra ou venda de um lote de títulos, através de representantes das sociedades corretoras.

Lastro
Garantia implícita em um ativo. Dizemos, por exemplo, que uma moeda tem lastro quando o seu valor é garantido e não se questiona sua aceitabilidade.

Leilão especial
Sessão de negociação em pregão, em dia e hora determinados pela Bolsa de Valores em que se realizará a operação.

Letra de Câmbio
Título de crédito emitido por sociedade de crédito, financiamento e investimento, utilizado para o financiamento de crédito direto ao consumidor.

Letra do Banco Central do Brasil (LBC)
Título de responsabilidade do Banco Central do Brasil, emitido para fins de política monetária, exclusivamente sob a forma escritural, no SELIC. Título de rentabilidade pós-fixada, definida pela Taxa SELIC.

Letra do Tesouro Nacional (LTN)
Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de deficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no SELIC. Título de rentabilidade prefixada.

Letra Financeira do Tesouro (LFT)
Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de deficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no SELIC. Título de rentabilidade pós-fixada, definida pela Taxa SELIC.

Letra Imobiliária
Título emitido por sociedades de crédito imobiliário destinado à captação de recursos para o financiamento de construtores e adquirentes de imóveis.

Libor
London Interbank Offered Rate – Taxa interbancária do mercado de Londres. Taxa preferencial de juros oferecida para grandes empréstimos entre os bancos internacionais que operam em eurodólares(Eurodollars. Geralmente é base para outros grandes empréstimos em eurodólares a empresas e instituições governamentais com avaliação de crédito inferior. Exemplo, um país do Terceiro Mundo pode ser obrigado a pagart um ponto acima da Libor quando contrair empréstimos.

Liquidez
Maior ou menor facilidade de se negociar um título, convertendo-o em dinheiro.

Lote
Quantidade de títulos de características idênticas.

Lote fracionário
Quantidade de ações inferior ao lote-padrão.

Lote redondo
Lote totalizando um número inteiro de lotes-padrão.

Lote-padrão
Lote de títulos de características idênticas e em quantidade prefixada pelas Bolsas de Valores.

Lucratividade
Ganho líquidototal propiciado por um título. Em bolsa, o lucro líquido proporcionado por uma ação, resultante de sua valorização em pregão em determinado período e do recebimento de proventos – dividendos, bonificações e ou direitos de subscrição – distribuídos pela empresa emissora, no mesmo intervalo de tempo.

Lucratividade média
Média das várias lucratividades alcançadas por um título em diversos períodos.

Lucro
Remuneração advinda de uma operação. O lucro é o resultado de receita menos despesa, dentro de um contexto empresarial.

Lucro líquido por ação
Ganho por ação obtido durante um determinado período de tempo, calculado através da divisão do lucro líquido de uma empresa pelo número existente de ações.

Lucro Bruto
É o resultado apurado do total de receitas menos o total de despesas de uma empresa, não considerando a dedução de IR e as participações.

Lucro Líquido
É o saldo que resulta após a dedução de imposto de renda e diversas participações sobre o Lucro Bruto.

Máximo
Cotação mais alta alcançada pelo papel ao longo do dia, até o momento da consulta.

Médio
Média das cotações do papel ao longo dia, ponderada pelo volume financeiro negociado.

Mínimo
Cotação mais baixa alcançada pelo papel ao longo do dia, até o momento da consulta.

Marcação a Mercado
Marcar a mercado um ativo financeiro consiste em atualizar, diariamente, o valor dos respectivos títulos tomando-se como referência o preço de negociação no mercado secundário. Entretanto, em decorrência de fatores históricos e macroeconômicos o mercado secundário de títulos brasileiros apresenta baixa liquidez. Assim, a formação dos preços para efeito de marcação a mercado se dá através de expectativas dos agentes econômicos relativas a: taxas de juros atuais e futuras, taxas de inflação, comportamento da taxa de câmbio (dólar futuro), expectativas quanto às reformas previdenciárias, fiscal, entre outros fatores de ordem política e variáveis macroeconômicas.

Margem
Montante, fixado pelas Bolsas de Valores, a ser depositado em dinheiro, títulos ou valores mobiliários, pel cliente que efetua uma compra ou uma venda a termo ou a futuro, ou um lançamento a descoberto de opções.

Margem Bruta
Diferença entre o preço de venda e os custos envolvidos na fabricação de um produto. Esse indicador é uma medida de eficiência na produção.

Margem Líquida
Diferença entre o preço do produto e todos os custos e despesas envolvidos na fabricação.

Maxidesvalorização
É a desvalorização drástica de uma moeda.

Mega Bolsa
É um sistema de negociação da Bovespa, que engloba o pregão viva voz e os terminais remotos, e visa ampliar a capacidade de registro de ofertase realização de negócios em um ambiente tecnologicamente avançado.

Mercado à vista
Mercado onde a liquidação física – entrega dos títulos pelo vendedor – se processa no segundo dia após a realização do negócio em pregão e a liquidação financeira – pagamento dos títulos pelo comprador – se dá no terceiro dia útil, posterior à negociação, somente mediante à efetiva liquidação física.

Mercado a termo
Mercado onde se processam as operações para liquidação diferida, em geral após 30, 60 ou 90 dias da data de realização do negócio.

Mercado de ações
Segmento do mercado de capitais que compreende a colocação primária em mercado de ações novas emitidas pelas empresas e a negociação secundária – em Bolsas de Valores e no mercado de balcão – das ações já colocadas em circulação.

Mercado de balcão
Mercado em que as operações não são registradas em Bolsas. Também chamado de tailor made ou customizadas, por atenderem especificações dos clientes, esse mercado abrage negociações de ativos.

Mercado de balcão não organizado
Mercado de compra e venda de ativos sem a coordenação de uma Bolsa de Valores, no qual as transações são normalmente conduzidas pelo telefone. São negociadas ações de empresas não registradas em Bolsas de Valores e outras espécies de títulos. Participam deste mercado corretoras, distribuidoras, alguns bancos e pessoas físicas.

Mercado de balcão organizado
Também chamado de SOMA (Sociedade Operadora de Mercado Aberto), é composto por empresas que pretendem mais tarde ter suas ações negociadas nas bolsas de valores. Apresenta como vantagens principais menor custo e menores exigências.

Mercado de capitais
Conjunto de operações de transferência de recursos financeiros de prazo médio, longo ou indefinido, efetuadas entre agentes poupadores e investidores, através de intermediários financeiros.

Mercado de opções
Mercado onde são negociados direitos de compra ou venda de um lote de valores mobiliários, com preços e prazosde exercícios pré-estabelecidos contratualmente. Por esses direitos, o titular de uma opção de compra paga um prêmio, podendo exercê-los até a data de vencimento da mesma ou revendê-los ao mercado. O titular de uma opção de venda paga um prêmio e pode exercer sua opção apenas na data de vencimento, ou pode revendê-la no mercado durante o período de validade da opção.

Mercado financeiro
É o mercado voltado para a transferência de recursos entre os agentes econômicos. No mercado financeiro são efetudas transações com títulos de prazos médios, longos e indeterminado, geralmente dirigidas ao financiamento dos capitais de giro e fixo.

Mercado futuro
Mercado onde são realizadas operações envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas prefixadas.

Mercado primário
Onde ocorre a colocação de ações ou outros títulos, provenientes de novas emissões. As empresas recorrem ao mercado primário para completar os recursos de que necessitam, visando ao financiamento de seus projetos de expansão ou seu emprego em outras atividades.

Mercado secundário
Onde ocorre a negociação dos títulos adquiridos no mercado primário, proporcionando a liquidez necessária.

Mercado Aberto
Também conhecido por mercado secundário, é onde são negociados títulos públicos já emitidos.

Mercado Fracionário
Mercado Fracionário é aquele onde são negociados quantidade de ações que não chegam a completar um lotes padrão do papel. Por exemplo, um papel é negociado em lotes padrão de 1000 ações. Se você quiser comprar ou vender 10.000 ações, sua ordem será negociada no mercado inteiro, mas se você quiser negociar 4.500, 4000 ações serão negociados no mercado inteiro e as 500 ações restantes, que não chegam a formar um lote padrão serão negociadas no mercado fracionário.

Mercado Integral
Mercado Integral é aquele onde são negociados lotes padrão do papel. Por exemplo, um papel é negociado em lotes padrão de 1000 ações. Se você quiser comprar ou vender 10.000 ações, sua ordem será negociada no mercado inteiro, mas se você quiser negociar 4.500, 4000 ações serão negociados no mercado inteiro e as 500 ações restantes, que não chegam a formar um lote padrão serão negociadas no mercado fracionário.

Merval
A partir de 27/nov/2000, o índice MerVal, que concentra os principais papéis negociados em bolsa, será dividido e os investidores terão um novo indicador – o Merval Argentino (MAR, sigla que aparecerá nos terminais) – para medir a evolução do mercado de renda variável de empresas argentinas. “O MAR vai responder exclusivamente ao comportamento microenômico das companhias e ou aos problemas de cada empresa e não mais à influência de fatores macroeconômicos do país”. O MerVal continuará conservando a sua estrutura básica tradicional e será divulgado normalmente. O novo índice englobará papéis de 17 companhias constituídas exclusivamente no país, embora possam estar controladas por multinacionais. De acordo com o Instituto Argentino de Mercado de Capitais, a carteira do MAR, que será atualizada trimestralmente, estará composta por sociedades de capital aberto que reúnam até 80% de negociação nos últimos seis meses (volume e número de operações). Mas serão excluídas aquelas empresa que tenham sido cotadas em 90% dos pregões desse período. Isto é, ficam de fora as empresas estrangeiras e os CedeArs (semelhante às ADRs). Ao mesmo tempo, informa um documento do instituto, será limitada a participação de cada espécie a um 20%, antes de corte seletivo em 80%, com o objetivo de evitar a concentração do índice em poucos papéis e, com isso, favorecer, o princípio de diversificação. Para chegar às 17 ações que vão compor o MAR, o Instituto tomou como base informações e o comportamento dos pápeis das empresas desde de 1997 e, a partir do final do ano passado – período prévio à inclusão de empresas estrangeiras no mercado acionário argentino e pelo incremento da participação dos CedArs no volume total negociado-, calculou internamente os dois ínidices. Isso permitiu definir como dara de origem do MAR o dia 1 de janeiro deste ano, tomando como base o preço do MerVal do dia 30 de dezembro de 1999. “Seguindo esses critérios, a carteira do MAR ficou conformada por 17 papéis, diferenciando-se qualitativamente do Merval, que estava composto, até agora, por 32 empresas”, explica o Instituto.

Meta
Segmento de negociação eletrônica da Bovespa, apoiado no estabelecimento de preço base de negociação uma vez ao dia e na atuação do Promotor de Negócios, que é uma pessoa jurídica, indicada pela empresa, que assume o compromisso de registrar diariamente ofertas firmes de compra e venda para o papel no qual se registrou, de acordo com normas regulamentares determinadas pela Bovespa.

Monopólio
Forma de organização do mercado em que uma empresa domina a oferta de um determinado produto ou serviço que não pode ser substituído. A legislação da maioria dos países proíbe o monopólio, com exceção dos exercidos pelo Estado, geralmente em produtos e serviços estratégicos.

MACD – Moving Average Convergence/Divergence
Este indicador técnico é calculado subtraindo-se o valor de duas médias móveis: de 26 dias e de 12 dias. O MACD indica a diferença entre as expectativas de curto e de longo prazo.

MERCOSUL – Mercado Comum Sul Americano
Associação formada entre Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai com o objetivo de fortalecer estes países, aumentando a integração entre eles e unificando suas políticas setorial e macroeconômica.

MSCI – Morgan Stanley Capital International
Índice criado pela Morgan Stanley para acompanhar o desempenho das bolsas de valores. Para medir o comportamento das bolsas brasileiras, existe o MSCI -Brasil.

Negociação comum
Aquela realizada em pregão, entre dois representantes de diferentes sociedades corretoras, a um preço ajustado entre ambos.

Negociação direta
Realizada sob normas especiais por um mesmo representante de sociedade corretora para comitentes diversos. Os interessados nessa operação devem preencher o cartão de negociação ou digitar um comando específico – no caso de negociação eletrônica – indicando que estão atuando como comprador e vendedor ao mesmo tempo.

Nota de corretagem
Documento que a sociedade corretora apresenta ao seu cliente, registrando a operação realizada, com indicação da espécie, quantidade de títulos, preço data do pregão, valor da negociação, da corretagem cobrada e dos emolumentos devidos.

Nota do Banco Central do Brasil – NBC
Título de responsabilidade do Banco Central do Brasil, emitido para fins de política monetária, exclusivamente sob a forma escritural, no SELIC. Título de rentabilidade pós-fixada, possuindo diversas séries, cada qual com índice de atualização próprio (dólar, taxa SELIC etc). Lei nº 4.595, 31/12/64, art. 11, inciso V.

Nota do Tesouro Nacional – NTN
Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a cobertura de deficit orçamentário, exclusivamente sob a forma escritural, no SELIC. Título de rentabilidade pós-fixada (a exceção da NTN-F), possuindo diversas séries, cada qual com índice de atualização próprio (IGP-M, Dólar, TR etc).

Nota Promissória
É um título que o tomador de um empréstimo assina, declarando dever um montante equivalente ao empréstimo tomado.

Notas Explicativas
Informações mais detalhadas sobre operações de uma empresa, que são adicionadas aos demonstrativos contábeis (balanço).

NASDAQ
National Association of Securities Dealers Automated Quotation. A Nasdaq, que começou a operar em 1971, é conhecida por negociar ações das maiores empresas de tecnologia dos EUA. Além disso, é a principal instituição operandono mercado de balcão e a primeira bolsa eletrônica conectando compradores e vendedores.

NASDAQ 100 Index
Lançado em 1985, este índice inclui 100 das maiores empresas não financeiras, norte-americanas e estrangeiras.

NBC-E – Notas do Banco Central – série especial
São títulos cuja correção está atrelada à variação do dólar comercial e com um prazo mínimo de resgate de três meses e taxas de juros de 6% ao ano.

NIKKEY
Este é o índice que corresponde às ações mais negociadas na Bolsa de Valores de Tóquio (Japão).

Número de Negócios
Total de transações feitas com o papel (ativo) ocorridas ao longo do dia, até o momento da consulta.

NTN – Notas do Tesouro Nacional
São títulos de financiamento da dívida do Tesouro Nacional, que são pós-fixados com valor nominal de emissão em múltiplos de R$ 1,00.

Oferta de direitos
Oferta feita por uma empresa a seus acionistas, dando-lhes a oportunidade de comprar novas ações por um preço determinado, em geral, abaixo do preço corrente do mercado, e dentro de um prazo relativamente curto.

Oferta pública de compra
Proposta de aquisição, por um determinado preço, de um lote específico de ações, em operação sujeita a interferência.

Oferta pública de venda
Proposta de colocação, junto ao público, de um determinado número de ações de uma empresa.

Oferta Pública – competitiva
Emissões de títulos públicos realizadas pelo Tesouro Nacional e pelo Banco Central do Brasil por meio de leilão eletrônico. Podem ser realizadas com títulos registrados no SELIC e na CETIP. Base Legal: Portaria STN nº 341, de 14/07/00.

Opção
Contrato que envolve o estabelecimento de direitos e obrigações sobre determinados títulos, com prazos e condições pré-estabelecidas.

Opção coberta
Quando há o depósito, junto a uma Bolsa de Valores, das ações-objeto de uma opção.

Opção de compra de ações
Direito outorgado ao titular de uma opção de, se o desejar, adquirir do lançador um lote-padrão de determinada ação, por um preço previamente estipulado, na data de vencimento da opção.

Opção de Swap
É um contrato que envolve o estabelecimento de direitos e obrigações sobre swap, com prazos e condições preestabelecidas.

Open Market
Qualquer mercado sem local físico determinado e com livre acesso à negociação. No Brasil, tal denominação se aplica ao conjunto de transações realizadas com títulos de renda fixa, de emissão pública (LTN, BBC) ou privada (CDB).

Operação caixa
Operação através da qual um investidor vende a vista um lote possuído de ações e o recompra, no mesmo pregão, em um dos mercados a prazo; o custo do financiamento é dado pela diferença entre os preços de compra e venda.

Operação de financiamento
Consiste na compra à vista de um lote de ações e a sua venda imediata em um dos mercados a prazo. A diferença entre os dois preços é a remuneração da aplicação pelo prazo de financiamento.

Operação de Câmbio
Uma operação de câmbio envolve a negociação de moeda estrangeira através da troca da moeda de um país pela de outro. Uma pessoa que pretende viajar para o exterior precisa fazer uma operação de câmbio, trocando seus reais pela moeda do país a ser visitado.

Operação de Câmbio paralelo
É a conversão de reais por dólar no mercado paralelo (popularmente conhecido como mercado negro).

Operação de Câmbio Flutuante
O câmbio flutuante é a taxa utilizada nas principais operações financeiras e na conversão de dólares de residentes. A operação de câmbio flutuante, é então o processo de conversão de reais em dólares, no mercado flutuante.

Operador de pregão
Representante de uma sociedade corretora que executa ordens de compra e de venda de ações no pregão de uma Bolsa de Valores.

Operador do sistema eletrônico
O representante de uma sociedade corretora, que executa ordens de compra e de venda de ações e/ou opções pelo sistema de pregão de uma bolsa de valores.

Operador CATS
Representante de uma sociedade corretora que executa ordens de compra e de venda de ações e ou opções, através do sistema CATS Bovespa.

Ordem
Instrução dada por um cliente a uma sociedade corretora para a execução de compra ou de venda de valores mobiliários.

Ordem a mercado
Quando só há a especificação da quantidade e das características de um valor mobiliário. Deve ser efetuada desde o momento de seu recebimento no pregão.

Ordem casada
Composta por uma ordem de compra e uma outra de venda de um determinado valor mobiliário. Sua efetivação só se dará quando ambas puderem ser executadas.

Ordem de financiamento
Constituída por uma ordem de compra ou de venda, de um valor mobiliário em um tipo de mercado e uma outra concomitante de venda ou de compra, de igual valor mobiliário no mesmo ou em outro mercado com prazos de vencimentos distintos.

Ordem discricionária
O gestor da carteira de títulos e valores mobiliários ou um representante de mais de um cliente estabelecem as condições de execução da ordem. Após executada, o nome do investidor, a quantidade de títulos e/ou valores mobiliários a ser distribuída e o preço.

Ordem limitada
Aquela que deve ser executada por um preço igual ou melhor do que o especificado pelo comitente.

Ordem on-stop de compra ou de venda
O investidor determina o preço mínimo pelo qual a ordem deve ser executada. Na ordem on-stop de compra é executada quando – em uma alta de preços – ocorrer um negócio igual ou maior do que o preço determinado. Ou seja, o investidor o preço mínimo pelo qual o ativo deve ser comprado. A partir desse momento a corretora vai executar a compra pelo preço mais próximo possível àquele solicitado pelo investidor. Já a ordem on-stop de venda será executada quando – em uma baixa de preços – ocorrer um negócio a um preço igual ou menor que o preço determinado. Ou seja, o investidor define que se sua ação cair até um determinado preço, a corretora deve vendê-la pelo melhor preço que conseguir no mercado.

Ordem Administrada
O investidor especifica somente a quantidade e as características dos valores mobiliários ou direitos que deseja comprar ou vender. A execução da ordem ficará a critério da corretora.

Oscilação
Variação – positiva ou negativa – verificada no preço de um mesmoativo em um determinado período de tempo.

Otimização do Portfólio
É o processo de escolha de ativos de uma carteira, visando eliminar eventuais riscos e tendo como meta uma determinada rentabilidade. Para cada rentabilidade esperada é escolhida uma composição de carteira que minimize os riscos corridos.

Overnight
Operações realizadas no Open Market por prazo mínimo de um dia, restritas às instituições financeiras.

P/L
Veja Índice Preço/Lucro.

Passivo – Liability
O passivo compreende todas as obrigações e dívidas de uma empresa.

Passthrough
Reflexo do aumento da taxa de câmbio sobre os preços internos, inflação. Quando o dólar se valoriza frente a moeda nacional, os produtos importados ficam mais caros e os produtores internos ganham uma margem maior para aumentar seus preços e ainda se manterem competitivos. Além disso, muitos produtos tem componentes importados e com o aumento do preço destes, os produtores repassam para o consumidor tais aumentos.

Patrimônio
Conjunto de bens e direitos de uma pessoa ou empresa.

Patrimônio líquido
No balanço patrimonial, a diferença entre o valor dos ativos e dos passivos e resultado de exercícios futuros, representa o patrimônio líquido, que é o valor contábil pertencente aos acionistas ou sócios.

Perfil de Risco
É a classificador do investidor mais ousado, que tem pré-disposição a correr riscos.

Performance
Ela representa o desempenho obtido em alguma atividade. No mercado financeiro, uma taxa de performance é cobrada em fundos de investimentos quando a rentabilidade ultrapassa um mínimo acordado previamente.

Permissionária
Sociedade corretora especialmente admitida no pregão de uma Bolsa de Valores da qual não possui título patrimonial.

Player
Participante de um mercado.

Política de Investimento
Na gestão de recursos de um fundo, porexemplo, é a definição das regras e forma de atuação de como determinado fundo será administrado.

Política de Rendas
O Governo estabelece uma política de rendas. Esta política estabelece controles diretos sobre a remuneração dos fatores diretos de produção envolvidos na economia tais como salários, depreciações, lucros, dividendos e preços dos produtos intermediários e finais.

Portfólio
É um conjunto (carteira) de títulos e valores mantido por um fundo mútuo ou por um investidor.

Posição em aberto
Saldo de posições mantidas pelo investidor em mercados futuros e de opções.

Poupança
Parcela da renda não utilizada para consumo.

Prêmio
Preço de negociação por ação-objeto de uma opção de compra ou de venda.

Prazo de subscrição
Prazo fixado por uma sociedade anônima para que o acionista exerça seu direito de preferência na subscrição de ações de sua emissão.

Preço de exercício da opção
Preço por ação pelo qual um titular terá direito de comprar ou vender a totalidade das ações-objeto da opção.

Prefixado
Uma aplicação prefixada tem a sua rentabilidade conhecida previamente, ao contrário da pós-fixada. O investidor já sabe ao fazer a aplicação o valor em percentual da rentabilidade a ser recebida.

Pregão
Sessão durante a qual se efetuam negócios com papéis registrados em uma Bolsa de Valores, diretamente na sala de negociações e ou através do sistema CATS Bovespa.

Pregão eletrônico
Veja CATS Bovespa.

Prejuízo
Quando as despesas de uma empresa são superiores às suas receitas.

Prejuízo Acumulado
É quando uma empresa apresenta prejuízos por mais de um exercício contábil.

Prime Rate – taxa preferencial de juros
Taxa de juros bancária cobrada dos clientes com as melhores avaliações de crédito. É determinada pelas forças de mercado que afetam o custo dos recursos de um banco e pelas taxas aceitáveis pelos tomadores de empréstimos. A taxa preferencial de juros tende a se tornar padrão em todo o setor bancário quando um banco importante muda sua taxa preferencial para um patamar mais alto ou mais baixo. É uma taxa de juros de importância fundamental, uma vez que empréstimos para clientes com avaliações de créditos inferiores estão freqüentemente atrelados a uma taxa preferencial. Exemplo, uma companhia de primeira linha (Blue Chips) pode tomar empréstimo a uma taxa preferencial de 10%, mas uma empresa pequena, de menor credibilidade, poderá tomar um empréstimo junto ao mesmo banco a taxa preferencial mais 2%, ou seja 12%. Embora a taxa preferencial dos grandes bancos seja o ponto de referência definitivo da “melhor taxa” de mercado, muitos bancos, especialmente aqueles em regiões distantes, possuem um sistema duplo de avaliação,através do qual as empresas com alta avaliação de crédito podem tomar empréstimos a taxas ainda menores.

Primeira Linha
É um jargão do mercado financeiro utilizado pelo mercado para classificar ações de maior liquidez – aquelas que são mais negociadas. As ações de primeira linha também são conhecidas como Bue Chips

Principal
É o valor de um empréstimo, não incluindo os juros a serem pagos.

Privatização
É o processo de transferência do controle acionário governamental para instituições privadas ou pessoas físicas.

Proventos
Veja Benefícios.

Proxy
É a hipótese utilizada como referência para se estimar o valor de uma variável, antes de conhecê-la

Pulverizar o Risco
Significa distribuir ou dividir as responsabilidades do risco assumido.

Put
Veja Opção de venda de ações.

PEA – População Economicamente Ativa
Representa a população em condições de trabalhar.

PIB – Produto Interno Bruto
Valor da produção de todos os bens e serviços, medidos a preços de mercado em moeda de valor corrente, em um determinado período de tempo.

Pó – Virar Pó
Gíria utilizada pelos profissionais do mercado financeiro, significando título e/ou investimento que perdeu totalmente o seu valor no mercado. Ex.: “meu investimento naquela ação virou pó”.

Pós-fixado
Característica de um tipo de investimento onde a rentabilidade não é conhecida previamente, sendo determinada posteriormente, geralmente vinculado a algum tipo de indexador.

PL – Participação no lucro
Percentual do lucro que uma empresa distribui aos seus acionistas e/ou funcionários.

Quota
Parte ideal de um fundo ou clube de investimento, cujo valor é igual à divisão de seu patrimônio líquido pelo número existente de quotas.

Rating
É a classificação de risco de um banco, de um país ou de um ativo feita por uma empresa especializada.

Receita Bruta
Total de reais recebido pela venda dos produtos ou serviços da empresa, sem qualquer dedução de impostos.

Receita Líquida
É a receita bruta menos as devoluções de produtos e os impostos pagos pela empresa.

Recessão
Termo utilizado para designar o crescimento negativo da economia de um país, ou de seu PIB.

Recibo de subscrição
Documento que comprova o exercício do direito de subscrição (de receber novas ações emitidas por uma sociedade anônima). Ele pode ser negociado em bolsa.

Recompra
Termo utilizado para identificar o resgate de um ativo financeiro.

Recursos de Terceiros
Expressão habitualmente empregada por profissionais de finanças e do mercado financeiro, para designar valores de propriedade de outras empresas ou pessoas. No popular, significa “dinheiro dos outros”.

Recursos Administrados
Valores sobre os quais as decisões de investimento são centralizadas na figura de um gestor ou de uma administradora. Os valores podem ser próprios ou de terceiros.

Registro em Bolsa
Condição para que uma empresa tenha suas ações admitidas à cotação em uma bolsa de valores, desde que satisfaça as normas estabelecidas pela mesma.

Renda Fixa
Tipo de aplicação na qual a rentabilidade pode ser determinada previamente ou que segue taxas conhecidas do mercado financeiro. São exemplos de renda fixa CDB ,Certificado de Depósito Bancário e debêntures.

Renda Variável
Tipo de investimento no qual a rentabilidade não pode ser determinada na data da realização do investimento. Uma aplicação é considerada renda variável quando o retorno ou rendimento desta aplicação é pouco previsível pois está sujeita a grandes variações de acordo com o mercado. Ações de empresas são exemplos de renda variável.

Rentabilidade
Medida de ganho financeiro nominal sobre o total do investimento, expressa em termos percentuais. Ex.: Um investimento inicial de R$ 100,00, que hoje vale R$ 105,00, gerou um ganho financeiro nominal de R$ 5,00 e uma rentabilidade de 5%.

Reservas Cambiais
Refletem o montante de moeda estrangeira (e ouro) acumulado pelo país. O resultado do Balanço de Pagamentos, que reflete o resultado monetário das transações de bens e serviços realizadas pelos brasileiros com o exterior (Saldo em transações correntes), assim como o fluxo de capitais entre o país e o exterior (sejam empréstimos, financiamentos, aplicações em mercado financeiro, investimento direto em plantas industriais, etc), vai exprimir se houve acúmulo ou perda de moeda estrangeira no período, refletindo, portanto a variação das reservas cambiais. Vale lembrar que o Balanço de Pagamentos registra somente um fluxo monetário dentro de um determinado período (em geral os resultados são apresentados em trimestres ou anuais), enquanto que as Reservas Cambiais revelam o estoque de moedas estrangeiras em um determinado momento.

Resgate
O ato de retirada, pelo investidor, do total ou parte dos recursos investidos em determinada aplicação. Ex.: Um investidor possuia uma aplicação de R$ 2.000,00 em um fundo de investimento e resgatou R$ 700,00.

Resistência
Jargão usado por profissionais do mercado financeiro que sugere um limite de alta de alguma ação, título ou índice.

Resolução
Norma legal reguladora do mercado financeiro emitida, por exemplo, pelo Banco Central (BC)ou pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Risco
Grau de incerteza da rentabilidade (retorno) de um investimento. Ex.: afirmar que um investimento é de alto risco significa que temos pouca chance de prever com precisão a rentabilidade deste investimento. Em contrapartida, esse investimento oferece possibilidade de retorno superior a um investimento conservador. No jargão financeiro, a palavra “risco” está sempre associada à probabilidade de ganhos ou perdas acima ou abaixo da média de mercado. O investidor deve estar atento a essa diferença, porque na linguagem cotidiana a palavra “risco” muitas vezes é usada para indicar a possibilidade de perda/diminuição ou manutenção do estado atual, excluindo a possibilidade de ganho/ retorno/crescimento.

Risco de Crédito
Termo que associa determinado título a probabilidade do mesmo não poder ser honrado, pelo emissor, no caso de um evento imprevisto. Ex.: no caso de falência de uma empresa as debêntures, de emissão da mesma, dificilmente serão honradas.

Risco-país
Mede a taxa que o investidor exige acima da rentabilidade dos papéis do Tesouro americano. Foi criado pelo banco americano J. P. Morgan Chase em 1993, coma intenção de mostrar a seus clientes que os riscos de investir nos 17 países emergentes que ele acompanha era menor do que eles imaginavam. O nome oficial do índice é EMBI. Se o índice da Argentina está em 14.888, por exemplo, isso significa que quem comprar títulos da Argentina ganhará 14,88% acima do bônus do Tesouro americano com prazo de vencimento equivalente.

Royalty
Valor pago ao detentor de uma marca, patente, processo de produção, produto ou obra original pelos direitos de sua exploração comercial.

RDB – Recibo de Depósito Bancário
Tipo de aplicação em renda fixa, cujo rendimento é uma taxa de juros previamente combinada e negociável diretamente com o banco. O RDB não permite retirada antecipada dos recursos aplicados, nem negociação no mercado secundário.

Sala de negociações
Local adequado ao encontro dos representantes de corretoras de valores e à realização, entre eles, de transações de compra e de venda de ações/opções, em mercado livre e aberto.

Saldo comercial
Resultado das exportações menos as importações. Se o saldo é positivo, chama-se de superavit; se negativo, chama-se de deficit.

Securitização
Operação financeira que faz a conversão de um empréstimo (dívida) e outros ativos, em títulos negociáveis (securities). Chamamos de securitização o ato de, por exemplo, pegar um empréstimo, dividir em partes, transformar em títulos negociáveis e vender estes títulos a investidores.

Securitização de Recebíveis
É a transformação de um recebível (um título cujo valor será recebido num momento futuro) em títulos negociáveis para vendê-los a investidores. Um dos objetivos da securitização de recebíveis é a redução do risco da carteira de investimentos, ao mesmo tempo que aumenta a possibilidade de rentabilidade para o investidor.

Segmentação
Separação e classificação por algum critério preestabelecido. Ex.: a segmentação dos fundos de investimento do banco é feita por grau de risco.

Segunda Linha
Jargão utilizado no mercado financeiro para caracterizar um tipo de ação. Ações de segunda linha são aquelas que apresentam menor liquidez nas bolsas de valores.

SeP 500
Índice elaborado pela consultoria americana Standard e Poor´s, que reflete o desempenho na Bolsa de Valores de Nova York. Um comitê da Standard e Poor`s elege as 500 companhias líderes nos setores mais importantes da economia.norte-americana para compor este índice. Juntamente com o Dow Jones, o SeP 500 está entre os indicadores mais usados para acompanhar o mercado de capitais dos Estados Unidos.

Sisbex
Sistema de negociação secundária de títulos públicos da Bolsa do Rio.

Small caps
Ações com baixa liquidez, também conhecidas como ações de segunda linha.

Sobras de subscrição
Direitos referentes ao não exercício de preferência em uma subscrição.

Sociedade anônima
Empresa que tem o capital dividido em ações, com a responsabilidade de seus acionistas limitada proporcionalmente ao valor de emissão das ações subscritas ou adquiridas.

Sociedade corretora
Instituição auxiliar do sistema financeiro, que opera no mercado de capitais com títulos e valores mobiliários, em especial no mercado de ações. É a intermediária entre os investidores nas transações em Bolsas de Valores. Administra carteiras de ações, fundos mútuos e clubes de investimentos, entre outras atribuições.

Split
Elevação do número de ações representantes do capital de uma empresa através do desdobramento, com a correspondente redução de seu valor nominal.

Spread
Diferença entre o preço mais alto e o preço mais baixo de um determinado valor mobiliário durante um determinado período.

Straddle
Compra ou venda, por um mesmo investidor, de igual número de opções de compra e de venda sobre a mesma ação-objeto, com idênticos preços de exercício e datas de vencimento.

Subscrição
Lançamento de novas ações por uma sociedade anônima, com a finalidade de obter os recursos necessários para investimento.

Subscrição de Ações
É um direito estendido aos acionistas para aquisição de ações da empresa, quando esta decide emitir novas ações para aumentar seu capital. O preço e prazo oferecido aos acionistas são pré-estabelecidos.

Superávit Comercial
Quando o valor das exportações supera o valor das importações de um país.

Superávit Primário
É o valor que o governo gasta a menos do que arrecada, excluído do cálculo a dívida pública.

Suporte
Termo usado pelos Analistas Técnicos. Analisando um gráfico, percebemos que ele apresenta topos e fundos. A esses fundos, é dado o nome de suporte. Uma ação atinge o suporte quando as compras feitas pelos investidores são fortes suficientes para interromper o processo de queda durante algum tempo e, possivelmente até revertê-lo. É o ponto onde as compras estão superando as vendas.

Swap de crédito – Crédito default
Derivativo que tem como objetivo a proteção contra o risco de crédito de uma contraparte.

SELIC
Criado em 1979, o Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – SELIC destina-se ao registro de títulos e de depósitos interfinanceiros por meio de equipamento eletrônico de teleprocessamento, em contas gráficas abertas em nome de seus participantes, bem como ao processamento, utilizando-se o mesmo mecanismo, de operações de movimentação, resgate, ofertas públicas e respectivas liquidações financeiras.

SISBACEN – Sistema de Operações e Controle do Banco Central
É o instrumento de comunicação computadorizado do Banco Central com as instituições financeiras, que por sua vez têm seus computadores conectados a esse sistema. Recebem informações do Bacen e enviam dados sobre suas operações financeiras e cambiais.

SND – Sistema Nacional de Debêntures
Ele integra parte do sistema CETIP e sua função é manter registros e cadastros de todas as debêntures emitidas e negociadas no mercado Sobrevalorização (quando determinado ativo está valendo mais do que seu valor real).

Súmula da Andima
É a publicação da Andima que contém toda a legislação referente a produtos, ativos e operações específicas do mercado financeiro. São atualizadas à medida que a legislação é modificada. Nesta súmula estão inclusos, entre outros, os seguintes títulos: swap, derivativos, debêntures, notas promissórias.

Título patrimonial da Bolsa
Desde que autorizada pelo Banco Central, onde deverá previamente se registrar, a sociedade corretora deverá adquir um título patrimonial da Bolsa de Valores em que desejar ingressar como membro.

Títulos Negociáveis
Títulos com livre circulação no mercado.

Títulos Pré-fixados
Modalidade de investimento cuja rentabilidade é conhecida no momento da aplicação. Ex.: As LTNs (Letras do Tesouro Nacional) estão dando uma rentabilidade de 23% a.a. (ao ano).

Títulos Privados
Uma empresa privada visando conseguir dinheiro para investimentos ou qualquer outra finalidade, vende títulos privados para investidores que em troca de emprestarem seu dinheiro recebem uma taxa de juros sobre o dinheiro emprestado. Ex.: debêntures.

Títulos Pós-fixados
Modalidade de investimento cuja rentabilidade varia de acordo com a variação de um índice específico. Ex.: As NTNs (Notas do Tesouro Nacional) estão pagando uma taxa de juros de 12% + TR (Taxa Referencial).

Títulos Públicos
Uma autarquia pública visando conseguir dinheiro para investimentos ou qualquer outra finalidade, vende títulos públicos para investidores que em troca de emprestarem seu dinheiro recebem uma taxa de juros sobre o dinheiro emprestado.

Taxa de Crescimento
Variação de um determinado indicador durante um período de tempo. Um dos indicadores mais usados é o PIB: taxa de crescimento do PIB, significando a taxa de crescimento da economia de um país.

Taxa de Custódia
Taxa cobrada pela corretora de valores mobiliários pela manutenção das ações de seus clientes sob sua guarda (responsabilidade).

Taxa de Desemprego Aberto
É a relação entre o número de pessoas procurando trabalho e o número de pessoas economicamente ativas, medida durante o mês em referência.

Taxa Efetiva
É a taxa que determina a rentabilidade final de um investimento, indicando o ganho/perda do investidor.

Taxa Interna de Retorno
É um taxa que visa determinar a rentabilidade de um investimento ou projeto

Taxa Over
É uma metodologia de cálculo para a taxa de juros, utilizada apenas no Brasil, remanescente do período de taxas inflacionárias altas. Atualmente é utilizada como padrão para empréstimos entre bancos.

Terminais de Negociação
Veja CATs Bovespa

Timing
Jargão utilizado no mercado financeiro para indicar o momento mais adequado para realizar determinada ação financeira – investir, resgatar, comprar, vender.

Titularidade
A propriedade de um determinado ativo. Ex.: titular de quotas do fundo de investimento significa que trata-se do proprietário das quotas desse fundo.

Trading Post
Sistema de negociações contínuas realizadas através de postos de negociações, tendo como objetivo dar homogeneidade aos trabalhos, em função da quantidade de negócios, permitindo, assim, distribuir uniformemente o fluxo de operações pelo recinto – sala de negociações.

Transações Correntes
Corresponde a soma das balanças comerciais, de serviços e das transferências unilaterais.

Trava de baixa
Estratégia utilizada para limitar o prejuízo, que combina a venda de uma opção de compra (call) simultaneamente com a compra de uma outra opção de compra (call).

Tributação
Cobrança de impostos devidos.

TBC / TBAN
Siglas para Taxa Básica do Banco Central e Taxa de Assistência do Banco Central. São utilizadas nos empréstimos de liquidez dos bancos junto ao Banco Central e por este definidas no final do mês anterior ao de suas vigências, em reunião específica do Comitê de Política Monetária (COPOM). A freqüência de utilização e o tipo de garantia dado pela instituição financeira é que determinarão o custo do empréstimo de liquidez (redesconto). Nas melhores condições será utilizada a TBC (piso da taxa do Bacen) e nas piores a TBAN (teto da taxa do Bacen).

TBF – Taxa Básica Financeira
Criada com o objetivo de alongar o perfil das aplicações em títulos com uma taxa de juros de remuneração superior à TR. Sua metodologia de cálculo é idêntica à da TR, com a diferença fundamental de que não se aplica nela o redutor.

TDA – Título da Dívida Agrária
Título de responsabilidade do Tesouro Nacional, emitido para a promoção da reforma agrária, exclusivamente sob a forma escritural, na CETIP. Título de rentabilidade pós-fixada pela variação da TR.

TJLP – Taxa de Juros de Longo Prazo
Criada para estimular os investimentos nos setores de infraestrutura e consumo. A TJLP é válida para os empréstimos de longo prazo, seu custo é variável mas permanece fixo por períodos mínimos de três meses.

TR – Taxa Referencial de Juros
A TR foi criada no Plano Collor II com a intenção de ser uma taxa básica referencial dos juros a serem praticados no mês. Atualmente é utilizada no cálculo do rendimento de vários investimentos, tais como títulos públicos, caderneta de poupança. E também em outras operações, tais como empréstimos do SFH, pagamentos a prazo e seguros em geral. A metodologia de cálculo da TR tem como base a taxa média mensal ponderada ajustada dos CDBs prefixados das 30 instituições financeiras selecionadas, sendo eliminadas as duas de menor e as duas de maior taxa média. A base de cálculo da TR é o dia de referência, sendo calculada no dia útil posterior. Sobre a média apurada das taxas dos CDBs é aplicado um redutor que varia mensalmente.

Underwriters
Instituições financeiras especializadas em operações de lançamento de ações no mercado primário. No Brasil, tais instituições são, em geral: bancos múltiplos ou bancos de investimentos, sociedades distribuidoras e corretoras que mantém equipes formadas por analistas e técnicos capazes de orientar os empresários, indicando-lhes as condições e a melhor oportunidade para que uma empresa abra seu capital ao público investidor, através de operações de lançamento.

Underwriting
Esquema de lançamento de ações mediante subscrição pública parao qual uma empresa encarrega um intermediário financeiro que será responsável por sua colocação no mercado.

VAGP (VIDA COM ATUALIZAÇÃO GARANTIDA) - Um dos três novos seguros de vida com opção de previdência a ser lançados no mercado. Recomendado para quem não se beneficia do incentivo fiscal oferecido pelos PGBLs e planos tradicionais, que permite a dedução dos valores aplicados nestes produtos do imposto a pagar desde que não supere 12% da renda bruta anual do investidor.
Os VAGPs buscam uma aplicação que garante rentabilidade mínima e correção da inflação, mas os ganhos financeiros acima disso são divididos com o gestor do plano. Assim como nos VGBLs os impostos incidem sobre os rendimentos financeiros acumulados. O VAGPs deverão ter taxas de carregamento iguais ou pouco maiores do que as do PGBL.

VALOR ADICIONADO - Em macroeconomia denota a participação de uma empresa na formação do Produto Interno Bruto do país. O termo também pode ser usado em análise de empresas, em conotação com a teoria de EVA, ou valor econômico adicionado.

Finalmente, pode ser usado em referência ao imposto existente em alguns países, dentre os quais os EUA, que incide sobre as vendas e circulação de mercadorias.

VALOR AGREGADO - Termo usado em finanças públicas com referência ao total obtido na soma das contas (produto, receitas e despesas) de um determinado setor.

VALOR ATUAL (SEGUROS) - Termo usado na indústria de seguros que se refere ao custo de reposição de um bem segurado ao preço corrente, no dia e local do sinistro, sendo que esse deve ser ajustado para refletir a depreciação pelo uso, o estado de conservação e a obsolescência do bem.

VALOR DE EMPRESA - O valor da empresa é utilizado no cálculo de indicadores fundamentalistas e é calculado como a soma do valor do mercado da empresa mais a sua dívida líquida. Esse indicador expressa o valor da empresa pertencente não somente aos acionistas (valor de mercado) mas também o pertencente aos credores (dívida líquida).

Valor de exercício da opção
Preço de exercício por opção, multiplicado pelo número de ações que compõem o lote-padrão de uma opção.

VALOR DE FACE - Valor de uma obrigação, nota ou outro título como expresso no certificado ou instrumento. Apesar do preço das obrigações flutuar a partir do momento de emissão até o seu resgate, elas são resgatadas no prazo de vencimento pelo seu valor de face, a menos que tenha ocorrido default. O valor de face é o montante sobre o qual o pagamento de juros é calculado. Por exemplo, uma obrigação com valor de face de $1.000 e juros de 10% paga $100 ao ano.

VALOR DE LIQUIDAÇÃO - Termo usado para denotar o valor de uma empresa, assumindo que todos os seus ativos sejam avaliados com uma ótica de liquidação, sendo que dos recursos obtidos com esta venda deve se descontar o valor das obrigações da empresa com seus credores e acionistas.

VALOR DE MERCADO - De maneira genérica no mercado financeiro indica o valor que um investidor receberia por um determinado ativo caso o mesmo fosse vendido no mercado naquele mesmo dia. Bastante usado com referência ao mercado de ações, esse indicador expressa o valor de mercado do total das ações de uma empresa e é calculado como:

ValMerc = Cotação*Quantidade total de Ações

VALOR DE MERCADO EMPRESA - Expressa o valor de mercado da empresa tendo como base suas diversas classes de ações, é calculado como: ValMercEmpresa = Cotação (Ação ON)* Qtde(AçõesON) + Cotação (Ação PN)*Qtde (Ações PN)

VALOR DE RESGATE - Ver resgate.

VALOR FINANCEIRO - Termo usado em análise fundamentalista que determina o valor financeiro de uma empresa é calculado pela seguinte fórmula: ValFin = (PL + AC + ARLP – PC – PELP).

Onde:
PL = Patrimônio – Líquido
AC = Ativo Circulante
ARLP = Ativo Realizável a Longo Prazo
PC = Passivo Circulante
PELP = Passivo Exigível a Longo Prazo.

VALOR FUTURO - Valor de um determinado fluxo em uma data futura, sendo que o valor futuro é obtido ajustando o valor deste fluxo pela taxa de juro estipulada. Assim, o processo de obtenção do valor futuro é o inverso daquele para se obter o valor presente de um determinado fluxo.

Valor intrínseco da opção
Diferença, quando positiva, entre o preço a vista de uma ação-objeto e o preço de exercício da opção, no caso de uma opção de compra, e entre o preço de exercício e o preço a vista, no caso de uma opção de venda.

VALOR MOBILIÁRIO - Termo genérico usado para denominar papéis e títulos com valores que oscilam, como por exemplo, títulos públicos, CDBs, ações, etc.

Valor nominal da ação
Valor mencionado no estatuto social de uma empresa e atribuído a uma ação representativa de seu capital.

Valor patrimonial da ação
Resultado da divisão entre o patrimônio líquido e o número de ações da empresa.

Valor Presente Líquido – VPL
Expressão utilizada na área de finanças para analisar investimentos em projetos. O VPL é usado para se determinar quanto o projeto valeria hoje. No cálculo, desconta-se o fluxo de caixa gerado pelo projeto usando uma taxa representativa do risco.

VALOR RESIDUAL - Termo usado para definir o valor de um ativo que sofre depreciação, ao final da sua vida útil. Por exemplo, assumindo que a vida útil de uma máquina seja de 10 anos, então seu valor residual é o valor esperado desta máquina ao ser vendida depois de passados 10 anos.

VALORES MOBILIÁRIOS - A definição de valores mobiliários é bastante genérica, incluindo a maioria dos títulos emitidos por sociedades anônimas, desde que registrados junto a um órgão de regulamentação do mercado, como, por exemplo, a CVM no Brasil. Desta forma, podem ser considerados como valores mobiliários, entre outros, as ações, debêntures, além dos cupons destes títulos, os bônus de subscrição e os certificados de depósitos de valores mobiliários.

Valor Unitário da Ação
Quociente entre o valor do capital social realizado de uma empresa e o número de ações emitidas.

Valorização da Carteira
Indicador divulgado em termos percentuais que visa traduzir o ganho de valor da carteira de investimento durante um determinado período de tempo.

Value at Risk ou VAR
Nos permite medir a probabilidade de perda de determinada aplicação em diversos cenários adversos da economia.

VANTAGEM COMPETITIVA - Conjunto de fatores fundamentais que influem na diferenciação de produtos e serviços oferecidos por uma empresa, dentro de um ambiente de concorrência econômica.

VANTAGEM TECNOLÓGICA - Capacidade da empresa de se manter na fronteira do conhecimento tecnológico e que favorece o processo de inovação.

VAR – VALUE AT RISK - Metodologia de análise de investimentos que permite estimar qual a perda máxima que uma carteira de investimentos pode ter levando-se em consideração um determinado período de tempo, um nível específico de confiança estatístico e uma dada distribuição de probabilidade para o retorno dessa mesma carteira. Em geral, assume-se uma distribuição é normal para os retornos da carteira.

A título ilustrativo quando se menciona que o VaR (2%) = R$ 5mil, isso significa que carteira de investimentos tem 98% de chances de sofrer uma perda de até R$ 5mil de um dia para o outro. Em outras palavras, o risco das perdas superarem esse patamar é de 2%.

Variação
Diferença entre os preços de um determinado título em dois instantes considerados.

VARIAÇÃO 12 MESES - Indica a variação acumulada do preço de um ativo em um período de 12 meses. Calculado como a variação entre o último preço do ativo no dia em questão e o fechamento do mesmo dia no ano imediatamente anterior.

VARIAÇÃO ANO - Indica a variação acumulada do preço de um ativo durante o ano em questão. Calculado como a variação entre o fechamento do último pregão do ano anterior e o último preço do ativo no dia em questão. No caso de fundos utilizamos o valor da cota.

Variação Cambial
Percentual divulgado que indica a variação da taxa de câmbio num determinado período de tempo.

VARIAÇÃO DIA - Indica a variação do preço de um ativo, como uma ação, cota de fundo, ou valor de qualquer título, durante o dia. Caso o pregão ainda não tenha encerrado, reflete a variação acumulada no dia até aquele momento e é calculada com relação ao fechamento no dia anterior.

Variação Negativa da Quota
Percentual divulgado que indica a desvalorização (perda de valor) de uma quota, durante determinado período de tempo. Significa dizer o quanto o valor da cotação de um título ou fundo de investimento caiu.

VARIAÇÃO MÊS - Indica a variação acumulada da cotação de um determinado título ou valor mobiliário (ação, fundos, câmbio, etc) durante o mês em questão. Calculado como a variação entre o último preço da ação no dia em questão e o fechamento do último pregão do mês anterior.

Variação Positiva da Quota
Percentual divulgado que indica a valorização (ganho de valor) de uma quota, durante determinado período de tempo. Significa dizer o quanto o valor da cotação de um título ou fundo de investimento aumentou.

VARIAÇÃO SEMANA - Indica a variação acumulada do preço de um determinado título ou valor mobiliário (que pode ser uma ação, fundo, câmbio, commodity, etc) durante a semana em questão. Calculado como a variação entre o último preço do título no dia em questão e o fechamento do último pregão da semana anterior.

VE/EBITDA - Indicador fundamentalista para avaliar o preço da ação de uma empresa, para comparação posterior com outras empresas no mesmo setor.

Expressa a relação do valor da empresa como um múltiplo de seu EBITDA (geração operacional de caixa ou lucro antes de juros, imposto, depreciação e amortização) no ano anterior. O VE é definido como valor de mercado mais dívida líquida.

VE/VENDAS - Indicador fundamentalista para avaliar o preço da ação de uma empresa para posterior comparação com outras empresas no mesmo setor.

Expressa a relação do valor da empresa como um múltiplo da sua receita líquida de vendas, onde valor da empresa é definido como valor de mercado mais dívida líquida.

VENDA A DESCOBERTO - Venda em Bolsa de ativos que não estão disponíveis no momento da conclusão do contrato, mas que o investidor espera adquirir antes do dia marcado para sua entrega.

VENDA A FUTURO - Operação de venda de contrato no mercado futuro, que pode ser liquidada financeiramente, por entrega física, por compensação ou diferença, caso o investidor assuma posição compradora inversa no mercado.

Venda em margem
Venda, a vista, de ações obtidas por empréstimo, pelo investidor, em uma sociedade corretora que opere em bolsa. È uma modalidade de operações da Conta Margem.

VENDIDO - Jargão do mercado financeiro que designa o investidor que mantém quantidades negativas de um determinado ativo no mercado à vista.

Vendor
É uma operação de financiamento de vendas, baseado no princípio da cessão de crédito , que permite a uma empresa vender seu produto a prazo e receber o pagamento à vista. O vendor supõe que a empresa compradora seja cliente tradicional da vendedora, pois esta é que irá assumir o risco do negócio, junto ao banco. Em resumo, é uma modalidade de financiamento de vendas para empresas, na qual quem contrata o crédito é o vendedor do bem, mas quem paga o crédito é o comprador.

VENTURE CAPITAL - Termo que vem do inglês e denomina uma forma de financiamento alternativa, utilizada por empresas para garantir o desenvolvimento e a expansão de suas atividades. As empresas alvo deste investimento temporário, em geral, gozam de altas taxas de crescimento e elevado nível de risco, em função do seu estágio inicial de desenvolvimento e incertezas em relação ao seu futuro.

VESTING - O termo vesting ou benefício proporcional diferido é usado para determinar um direito dos trabalhadores, que contribuíram a um determinado fundo de pensão, de continuar filiado ao antigo fundo fechado até sua aposentadoria.

Regulamentado pelo Conselho de Gestão da Secretaria da Previdência Complementar, somente em setembro de 2002, o vesting permite que o trabalhador possa, mesmo que haja quebra do vínculo empregatício, ter acesso aos recursos depositados em seu nome no fundo de pensão, inclusive a parcela paga pela empresa. Ao se aposentar o trabalhador recebe um benefício proporcional ao valor contribuído ao fundo.

Entretanto, para ter direito ao benefício é preciso ter havido quebra do vínculo empregatício e o cumprimento de uma carência mínima no fundo de pensão, que não deve ultrapassar os cinco anos.

VGBL (VIDA GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE) - Um dos novos seguros de vida com opção de previdência, desenvolvido com base nos PGBLs. A grande diferença é que ao contrário dos planos de previdência do tipo PGBL ou tradicionais, não é possível abater o valor das contribuições ao VGBL do imposto de renda a pagar durante a fase de acumulação.

Em contrapartida, ao contrário dos PGBLs, o imposto no resgate é calculado apenas sobre os rendimentos e não inclui o valor das contribuições, sendo que o imposto é calculado com base na tabela progressiva de imposto de renda. Os VGBLs devem ter taxas de carregamento iguais ou pouco maiores do que as do PGBL.

VGBL EMPRESARIAL - Plano de previdência complementar do tipo VGBL que é destinado ao mercado corporativo. O VGBL Empresarial pode ser averbado (quando a empresa não contribui para o plano) ou instituído (quando a empresa contribui parcial, ou integralmente ao plano).

VÍCIO INTRÍNSECO (SEGUROS) - Termo usado na indústria de seguros, que determina a condição natural de certas coisas que as torna mais suscetíveis a se destruir ou avariar, sem que seja necessária a intervenção de qualquer causa externa.

VÍCIO INTRÍNSECO (SEGUROS) - Termo usado na indústria de seguros, que determina a condição natural de certas coisas que as torna mais suscetíveis a se danificar ou destruir, sem a intervenção de qualquer causa externa.

Viés
Mecanismo que permite ao Banco Central alterar as taxas de juros, antes mesmo da reunião do Copom. Viés deixou de ser de baixa” e virou “neutro”, ou seja podem haver alterações tanto de elevação como de redução dos juros, antes da próxima reunião.

VIRAR PÓ - Terminologia usada no mercado de opções que designa situação antes do exercício da opção quando, na opção de compra o ativo-objeto é menor do que o preço de exercício, e, portanto, não existe incentivo para o exercício da opção. De maneira inversa, no caso de opção de venda ocorre quando o valor do ativo-objeto é maior do que o preço de exercício, levando o titular a não exercer sua opção.

De maneira genérica também é usado em situações em que um determinado investimento perdeu quase que integralmente o seu valor de mercado.

VOLATILIDADE - Indica o grau médio de variação da cotação de um título ou determinado mercado de subir ou cair intensamente em um curto período de tempo. A relação da volatilidade de uma ação em relação à volatilidade do mercado acionário como um todo pode ser medida através do seu coeficiente beta.

Quando se afirma que uma aplicação é extremamente volátil, entende-se que esta aplicação está sujeita a fortes oscilações, o que pode ser decorrência das perspectivas para a companhia, falta de liquidez (bastante comum entre algumas ações no Brasil), ou outras razões.

VOLUME - Medida, em moeda corrente, dos negócios de um determinado título, também conhecido como giro financeiro. É uma importante medida de liquidez de um papel, já que mede qual o montante financeiro que um papel girou em um determinado período de tempo.

Volumes crescentes podem indicar a permanência da tendência. Volumes decrescentes podem indicar uma possível reversão de tendência.

VOLUME MÉDIO DIÁRIO - Expressa a média durante os últimos 30 dias (ou 22 pregões) do volume diário negociado das ações de uma empresa.

VPL - Sigla que significa Valor Presente Líquido. Ver definição de Valor Presente Líquido.

VRG – VALOR RESIDUAL GARANTIDO - Nas operações de arrendamento mercantil designa a parcela do valor do bem, que pode ser amortizada durante a duração do contrato de arrendamento, ou paga ao final do mesmo, de forma a garantir ao arrendatário o direito de posse do bem.

VRGP (VIDA COM REMUNERAÇÃO GARANTIDA) - Um dos três novos seguros de vida com opção de previdência lançados no mercado. Recomendado para quem não se beneficia da possibilidade de deduzir as contribuições do plano do imposto de renda a pagar permitida pelos PGBLs e planos tradicionais. Assim destina-se aos contribuintes que estão isentos do IR, ou declaram através do formulário simples, ou já excederam o limite de dedução previsto nos PGBLs que é de 12% da renda bruta anual do contribuinte.

Os VRGPs garantem a correção dos valores aplicados pela inflação, sendo que ganhos superiores a este rendimento garantido são divididos com o gestor do plano. Assim como nos VGBLs os impostos incidem sobre os rendimentos financeiros acumulados. O VAGPs deverão ter taxas de carregamento iguais ou pouco maiores do que as do PGBL.

Voto
Direito que tem o proprietário de ações ordinárias – ou preferenciais não destituídas dessa faculdade – de participar das deliberações nas assembléias gerais.

Warrants
Títulos que dão ao seu portador o direito, mas não a obrigação, de comprar ações ordinárias de uma empresa a preço fixo dentro de um certo período.

Write-off
Escrituração de uma perda decorrente de uma dívida não paga. Em finanças internacionais, o write-off implica na eliminação ou na desvalorização da dívida externa de um país.

Warrants
Títulos que dão ao seu portador o direito, mas não a obrigação, de comprar ações ordinárias de uma empresa a preço fixo dentro de um certo período.

Write-off
Escrituração de uma perda decorrente de uma dívida não paga. Em finanças internacionais, o write-off implica na eliminação ou na desvalorização da dívida externa de um país.

Yield
Retorno sobre o investimento de capital de uminvestidor.

Yield to maturity
Rentabilidade de um investimento até o seu vencimento.

Yield Curve
Gráfico que mostra a estrutura de prazos das taxas de juros através de um arranjo de rendimentos de todas as obrigações da mesma qualidade cujos vencimentos variam desde o mais curto até o mais longo prazo.

 

Nós temos 5 visitantes online